INE prevê produção de azeitona a subir 20% este ano



A produtividade de azeitona para azeite deverá subir 20% este ano, face a 2022, para 2.495 quilogramas por hectare, de acordo com as previsões agrícolas do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Embora seja um ano de safra, o calor durante a floração e vingamento do fruto “comprometeu alguma produção” da azeitona para azeite, o INE prevê um aumento de 20% desta produção.

Enquanto a produção em 2022 foi de 2.079 quilogramas por hectare, em 2023 o instituto estatístico prevê uma produção de 2.495 quilogramas por hectare, ficando, ainda, 3% acima da média do quinquénio.

Já no caso da azeitona de mesa, o INE também espera uma subida de 20% em termos homólogos, para 2.905 quilogramas por hectare, contra 2.421 quilogramas por hectare.

“Nos olivais tradicionais esperam-se produtividades muito superiores às verificadas em 2022, mas nos olivais intensivos em plena produção perspetiva-se uma estabilização da produtividade”, acrescenta o INE em comunicado hoje divulgado.

O INE refere que continuam a entrar em produção “muitos olivais intensivos plantados recentemente”.

Entre as colheitas de variedade, a da arbequina já foi concluída, enquanto a colheita de galega e cobrançosa continua a decorrer.

Já a operação dos lagares de azeite iniciou-se mais cedo devido “ao adiantamento do ciclo vegetativo das oliveiras”.

O INE registou que as previsões apontam para uma reversão da situação de seca meteorológica na maior parte do território continental, persistindo a seca fraca em 12,8% em Setúbal, Beja e Faro.

No kiwi, a perspetiva é de uma produção próxima da dos últimos dois anos, enquanto a amêndoa teve a maior produção de sempre, totalizando 53 mil toneladas – “devido à entrada em produção cruzeiro de muitos pomares, maioritariamente instalados no Alentejo”.

Já as condições meteorológicas promoveram mais casos de septoriose no caso da castanha, que deverá registar, pelo segundo ano consecutivo, “decréscimos significativos de produção (-33%, face à média do último quinquénio)”.

O final da campanha das culturas de primavera de regadio confirmou produções superiores ao ano passado no caso do tomate (1,68 milhões de toneladas, +32%), enquanto o milho para grão cresceu 5% e o arroz 10%.

A produção de arroz, apesar de ter a sua colheita condicionada pelas chuvas, deverá aumentar 10% para 171 mil toneladas.

Já o decréscimo de produção do girassol de 30%, face a 2022, deve-se em exclusivo à redução de área. No caso de pomóideos, como maçãs ou peras, houve um balanço negativo desta última pelo segundo ano consecutivo

As chuvas e as elevadas temperaturas em outubro promoveram, de acordo com o INE, condições favoráveis para a germinação de ervas espontâneas, o que impulsionou boa regeneração e desenvolvimento vegetativo das pastagens naturais de sequeiro.





Notícias relacionadas



Comentários
Loading...
viagra before and after photos what to expect when husband takes viagra