Limitar o aquecimento global a 1.5 graus. Porque não se pode ultrapassar este número?



Este é o resultado de um estudo de modelagem climática, conduzido por investigadores do Instituto de Ciências Industriais da Universidade de Tóquio, e publicado na Environmental Research Letters. A seca tem sérios efeitos negativos na sociedade humana e no mundo natural e é previsivel que aumente com as alterações climáticas globais. Como resultado, avaliar o risco de seca devido às alterações climáticas é uma área crítica da pesquisa climática.

No Acordo de Paris de 2015, a Convenção das Nações Unidas sobre as Alterações do Clima (UNFCCC) propôs que o aumento da temperatura média global deveria ser limitado entre 1,5° C e 2 ° C acima dos níveis pré-industriais, de forma a limitar os efeitos das alterações climáticas severas.

No entanto, existem poucos estudos que enfoquem a importância relativa desse aumento de 0,5 °C na temperatura média global e o efeito que isso poderia ter sobre a seca e a aridez em todo o mundo. “Queríamos contribuir para a compreensão da importância de 0,5 °C, mas este estudo não é fácil de fazer com base em abordagens de modelagem anteriores”, explica o autor correspondente Hyungjun Kim num comunicado.

“Isto ocorre principalmente porque a maioria dos modelos olha para níveis extremamente altos e não se pode simplesmente extrair uma parte dos dados enquanto o modelo gira até o máximo. Portanto, usamos dados do HAPPI especialmente projetado (Half a degree Additional warming Prognosis and Projected Impacts) para avaliar os impactos na aridez a partir de estimativas do equilíbrio entre água e energia na superfície da Terra”.

O estudo revelou que 2° C de aquecimento leva a anos de seca mais frequentes e aridificação mais severa na maioria das áreas do mundo em comparação com 1,5° C, enfatizando que vários esforços devem ser feitos para limitar o aquecimento a 1,5 ° C acima dos níveis pré-industriais. Há uma mensagem muito forte de que algumas partes do mundo poderiam ter secas mais frequentes a 2° C do que a 1,5 ° C.

Esta situação pode ser especialmente terrível no Mediterrâneo, Europa Ocidental, norte da América do Sul, região do Sahel e sul da África, diz o autor principal Akira Takeshima. “No entanto, esta situação é muito regional. Em algumas partes do mundo, como Austrália e em alguns países da Ásia, foi simulada a situação oposta, com um clima mais húmido a 2° C do que a 1,5° C.” Estas descobertas mostram a importância de se considerar os impactos regionais do aquecimento adicional de 0,5° C, especialmente com relação a qualquer relaxamento futuro da meta de 1,5 ° C.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.