O mistério dos cristais gigantes dinamarqueses pode ter, finalmente, explicação

As ilhas dinamarquesas de Fur e Mors têm dezenas de milhões de cristais gigantes, conhecidos como glendonitas, o que tem intrigado cientistas um pouco por todo o mundo.

Alguns dos maiores e mais raros cristais de carbonato de cálcio, conhecidos como glendonitas, encontram-se na Dinamarca. Os cristais foram formados entre há cerca de 54 milhões de anos, durante um período conhecido por ter tido algumas das mais altas temperaturas da história geológica da Terra. A sua presença há muito que desperta admiração entre cientistas de todo o mundo.

Um estudo recente da Universidade de Copenhaga oferece uma possível explicação para o enigma: grandes erupções vulcânicas resultaram em episódios de climas pré-históricos muito mais frios do que se pensava.

“Por que encontramos glendonitas de um período quente, quando as temperaturas ficavam em média acima de 35 graus é um mistério. Não deveria ser possível”, explica Nicolas Thibault, professor associado do Departamento de Geociências e Gestão de Recursos Naturais da Universidade de Copenhaga .

Para os cientistas é um mistério, pois osglendonitos são compostos de ikaíte, um mineral que só é estável e, portanto, só pode cristalizar-se em temperaturas abaixo de quatro graus Celsius.

No seu novo estudo, Nicolas Thibault, junto com os colegas de departamento Madeleine Vickers, Christian Bjerrum e Christoph Korte, realizaram análises químicas dos glendonitas dinamarqueses.

A sua investigação revelou que o início da Época Eocena, entre 56 e 48 milhões de anos atrás, não era tão uniformemente quente como se pensava.

“O nosso estudo prova que deve ter havido períodos frios durante a Época Eocena. Caso contrário, esses cristais não poderiam existir – eles teriam simplesmente derretido. Também propomos uma sugestão de como esse arrefecimento pode ter acontecido, e ao fazê-lo, potencialmente resolver o mistério de como os glendonitas na Dinamarca e no resto do mundo surgiram “, diz Nicolas Thibault.

“Provavelmente houve um grande número de erupções vulcânicas na Gronelândia, Islândia e Irlanda durante este período. Essas erupções lançaram gotículas de ácido sulfúrico na estratosfera, que poderiam ter permanecido lá por anos, protegendo o planeta do sol e refletindo a luz solar. Isto ajuda a explicar como as regiões frias eram possíveis, o que afetou o clima no início do Eoceno na Dinamarca. ”

A presença de atividade vulcânica é revelada por, entre outras coisas, camadas sedimentares visíveis em Fur, onde camadas de cinzas vulcânicas são claramente visíveis como faixas nas falésias costeiras.

“O nosso estudo ajuda a resolver um mistério sobre os glendonitos, além de demonstrar que episódios mais frios são possíveis durante climas mais quentes. O mesmo pode ser dito hoje, já que estamos atentos à possibilidade de alterações climáticas abruptas”, conclui Nicolas Thibault.

O estudo foi realizado em colaboração com cientistas da Inglaterra, Suíça e Noruega, tendo sido publicado na revista científica Nature Communications.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...