Os dinossauros já estavam a desaparecer antes do impacto do asteroide



A extinção em massa dos dinossauros, depois de um asteroide ter fustigado a Terra há cerca de 66 milhões de anos, foi um fim tumultuoso para o reinado destes animais outrora dominantes. Mas agora, um novo estudo sugere que estes já estavam a desaparecer milhões de anos antes do impacto do meteorito.

“Os dinossauros extinguiram-se gradualmente ao longo de milhões de ano”, explicou o autor do estudo Qiang Wang ao “South China Morning Post”.

No entanto, o investigador espera que essas conclusões sejam testadas. O estudo é baseado num longo debate entre os paleontólogos sobre se os dinossauros tiveram um fim abrupto ou se já estavam à beira da extinção antes de um asteroide com 10 quilómetros de diâmetro, chamado Chicxulub, selar o seu destino.

A nova investigação de uma equipa de geólogos e paleontologistas que trabalham na China, sugere que a biodiversidade dos dinossauros estava a desaparecer pelo menos dois milhões de anos antes da sua extinção, no final do Cretáceo, deixando as aves como seus únicos descendentes vivos.

As suas conclusões baseiam-se numa coleção de fósseis de ovos, incluindo vários ovos de dinossauros completos e incompletos, preservados em camadas de rocha com 150 metros de espessura que foram depositadas entre 68,2 e 66,4 milhões de anos atrás, mesmo antes de a cortina ter caído sobre os dinossauros.

“Os nossos resultados apoiam um declínio a longo prazo da biodiversidade global dos dinossauros antes de há 66 milhões de anos”

“Os nossos resultados apoiam um declínio a longo prazo da biodiversidade global dos dinossauros antes de há 66 milhões de anos, o que provavelmente preparou o cenário para a extinção em massa dos dinossauros não pertencentes à região da Ásia,” explicaram o investigador da Universidade de Geociências da China, Fei Han, e colegas.

No seu trabalho, Han e colegas utilizaram um conjunto de técnicas para estratificar milhares de amostras de rochas encapsuladas nas cascas de ovos fossilizados, estimar a idade dessas amostras, e construir uma linha temporal com esses dados que tinham uma resolução de 100.000 anos.

Dois dos três ovos de dinossauros de uma categoria de espécie quando se tem apenas ovos identificados na mistura eram de um grupo de dinossauros sem dentes, semelhantes a papagaios chamados oviraptores, sendo o terceiro grupo de dinossauros poedeiras identificados como herbívoros hadrosauridae de bico de pato.

A baixa diversidade de espécies que os investigadores encontraram coincide com restos esqueléticos de dinossauros antigos também descobertos na Bacia de Shanyang, e é comparável a outros depósitos fósseis no sul e leste da China, bem como alguns leitos ósseos na América do Norte que também sugerem o declínio da diversidade de dinossauros durante o mesmo período.

Declínio dos dinossauros “pode ter resultado de flutuações climáticas globais e erupções vulcânicas”

Todos “apontam para uma menor diversidade e declínio global entre os dinossauros à escala global”, argumentam Han e colegas, sugerindo que o declínio pode ter resultado de flutuações climáticas globais e erupções vulcânicas.

Outros estudos, que também sugeriram que os dinossauros eram propensos à extinção, sugeriram que a sua diversidade pode ter começado a diminuir até 10 milhões de anos antes de o meteorito ter atingido a Terra.

No entanto, estudos anteriores descobriram o contrário. Uma análise recente e de grande alcance simulando a especiação dos dinossauros – o ritmo a que novas espécies aparecem – descobriu que menos de 20% dos dinossauros estavam em declínio terminal antes do impacto do asteroide, enquanto outras espécies estavam a prosperar.

A única forma de resolver estas interpretações contraditórias, concluem Han e colegas, é encontrar, amostrar e analisar mais fósseis e integrar os dados existentes de sítios fósseis em todo o mundo para melhor compreender os padrões de extinção.

Certamente não é uma tarefa fácil, mas que pode ajudar a resolver finalmente o que aconteceu à luz do desvanecimento do reinado dos dinossauros.

“O nosso estudo na Ásia de fósseis abundantes e geocronologicamente datados é um passo importante nessa direção”, escrevem os investigadores.

 



Notícias relacionadas

loading...

Comentários estão fechados.