Perda maciça de gelo no mar na Antártida ameaça vida marinha

Uma equipa internacional de cientistas descobriu que o gelo marinho do verão no mar de Weddell, na costa da Antártida, está a diminuir a um ritmo dramático. Desde 2015, a cobertura de gelo diminuiu um milhão de km² e pode representar um problema para a vida marinha local.

A Antártida é famosa por ser um continente congelado coberto de geleiras que estão a quilómetros de profundidade em alguns lugares. No entanto, especialmente no mar, esse gelo está longe de ser estático. O gelo flui, parte-se, diminui e cresce com as estações do ano de uma maneira muito complexa, que envolve muito mais do que nevascas ou mudanças de temperatura.

Um caso em questão é o mar de Weddell, onde investigadores do British Antarctic Survey (BAS), do Centro Nacional Indiano de Pesquisa Polar e Oceânica da Universidade de Nanjing e da Universidade Victoria de Wellington, na Nova Zelândia, estudam os registos de satélite de gelo marinho e as análises de extensão e clima, que remontam ao final da década de 1970, num esforço para entender por que o gelo marinho do verão diminuiu um terço em cinco anos.

Os cientistas descobriram que o mar de Weddell foi submetido a várias tempestades severas de verão em 2016 e 2017. Quando essas tempestades ocorrem no Ártico e na Antártida, podem quebrar o gelo e dispersar os blocos resultantes, fazendo com que derretam mais rapidamente. No entanto, a equipa também descobriu que uma área de águas abertas, ou um polynya, apareceu – algo que não ocorre há quase 50 anos.

Em contraste com o Ártico, o gelo marinho ao redor da Antártida vinha a aumentar em extensão desde a década de 1970, mas depois diminuiu rapidamente para registar níveis baixos, com o maior declínio no mar de Weddell. No verão, essa área possui agora um terço a menos de gelo marinho, o que terá implicações na circulação oceânica e na fauna marinha da região que depende dela para a sua sobrevivência “.

Segundo a equipa, o gelo marinho do inverno dobra o tamanho da Antártida, cobrindo uma área marítima de 18 milhões de km² até ao final de setembro.

A maior parte derrete no verão austral, exceto o mar de Weddell, cuja maior parte permanece congelada. Isso mudou em dezembro de 2016, quando tempestades intensas atraíram o ar quente, contribuindo para o colapso. A água aberta absorveu a luz do sol, aquecendo-a e prolongando o efeito, incluindo a manutenção de uma polina formada pelos ventos fortes.

A preocupação é que essa perda de gelo do mar tenha um grande impacto no ecossistema do mar de Weddell. Muitas plantas e animais são adaptados para viver na presença de gelo marinho, e a perda pode afetar toda a cadeia alimentar, desde plancton até focas, pinguins e baleias. Isto pode, também, ser um problema a longo prazo, porque ainda não se sabe se essa perda será revertida, como aconteceu no passado, ou se é o início de um declínio a longo prazo.

“O dramático declínio no gelo marinho observado no mar de Weddell provavelmente terá impactos significativos no funcionamento de todo o ecossistema marinho”, diz o professor Eugene Murphy, ecologista do British Antarctic Survey. “Compreender essas consequências mais amplas é de suma importância, especialmente se o declínio na extensão do gelo continuar”.

Os resultados desta investigação foram publicados na Geophysical Research Letters.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...