Pesadelos na meia-idade podem ser sinal de risco de demência



As pessoas que têm frequentemente pesadelos na meia-idade podem sofrer uma taxa mais rápida de declínio cognitivo e estar em maior risco de demência à medida que envelhecem, sugerem novos dados.

Se se confirmar, a investigação poderá eventualmente conduzir a novas formas de rastreio da demência e de intervenção para abrandar a taxa de declínio.

A maioria das pessoas tem pesadelos de vez em quando, mas aproximadamente 5% dos adultos sofrem pesadelos – sonhos suficientemente angustiantes para os acordar – pelo menos uma vez por semana. O stress, a ansiedade e a privação de sono são todos potenciais desencadeadores, mas a investigação anterior em pessoas com a doença de Parkinson também associou sonhos angustiantes frequentes a taxas mais rápidas de declínio cognitivo, e a um maior risco de desenvolvimento da demência no futuro.

Para investigar se o mesmo poderia acontecer com adultos saudáveis, Abidemi Otaiku da Universidade de Birmingham recorreu a dados de três estudos anteriores que examinaram a qualidade do sono das pessoas e depois os seguiram durante muitos anos, avaliando a sua saúde cerebral, bem como outros resultados. Isto incluiu mais de 600 adultos de meia-idade (entre 35 e 64 anos), e 2.600 pessoas com 79 ou mais anos de idade.

Os dados foram analisados através de um software estatístico para descobrir se aqueles que experimentaram uma maior frequência de sonhos angustiantes tinham mais probabilidades de passar por um declínio cognitivo e de ser diagnosticados com demência.

A pesquisa descobriu que as pessoas de meia-idade que experimentaram pesadelos pelo menos uma vez por semana tinham quatro vezes mais probabilidades de sofrer um declínio cognitivo na década seguinte do que aquelas que raramente tinham pesadelos. Entre os participantes idosos, aqueles que relataram frequentemente sonhos angustiantes tinham o dobro da probabilidade de serem diagnosticados com demência nos anos seguintes.

Pesadelos frequentes indiciam sono de má qualidade o que poderá acumular proteínas associadas à demência

Uma explicação para tal é que as pessoas que têm pesadelos frequentes tenham sono de má qualidade, o que poderá gradualmente levar a uma acumulação de proteínas associadas à demência. Outra, é a existência de algum fator genético que está na base de ambos os fenómenos.

No entanto, a hipótese de trabalho de Otaiku é que a neurodegeneração dentro do lóbulo frontal direito do cérebro torna mais difícil para as pessoas controlarem as suas emoções enquanto sonham, o que, por sua vez, leva a pesadelos.  “Sabemos que condições neurodegenerativas como a doença de Parkinson e a doença de Alzheimer começam muitas vezes muitos anos antes de alguém ser diagnosticado. Em alguns indivíduos que já têm doenças subjacentes, pesadelos e pesadelos podem ser um dos primeiros sinais”.

O investigador acrescenta que apenas um subconjunto de adultos que têm regularmente pesadelos é suscetível de desenvolver demência. Contudo, assumindo que esta ligação se confirma, os pesadelos podem eventualmente ser utilizados para identificar indivíduos de alto risco.

“A melhor maneira de lidar com a demência é impedi-la de ocorrer”

“A melhor maneira de lidar com a demência é impedi-la de ocorrer, e sabemos que existem vários fatores de risco modificáveis – má alimentação, falta de exercício, tabagismo, e consumo excessivo de álcool”. disse Otaiku. “Se conseguirmos identificar quem está em alto risco de contrair demência vários anos ou mesmo décadas antes, poderemos ser capazes de retardar o início, ou talvez mesmo impedi-lo completamente”.

Curiosamente, o estudo descobriu que as associações eram mais fortes para os homens do que para as mulheres. Por exemplo, os homens mais velhos com pesadelos numa base semanal tinham cinco vezes mais probabilidades de desenvolver demência do que os homens mais velhos que não relatavam pesadelos – mas nas mulheres, o aumento do risco era de apenas 41%.

Relacionado com isto, pesquisas anteriores sugeriram que os pesadelos são mais comuns entre as mulheres durante a juventude e a meia-idade, mas que o risco de pesadelos dos homens aumenta na vida posterior. Uma possibilidade é que os pesadelos ligados à demência sejam apenas aqueles que se desenvolvem durante a velhice, e aos quais os homens estão mais predispostos, disse Otaiku.

 

 



Notícias relacionadas

loading...

Comentários estão fechados.