Plantas podem ter uma capacidade surpreendente de absorver mais CO2 do que se esperava



Uma nova investigação, liderada por Jürgen Knauer do Hawkesbury Institute for the Environment, da Western Sydney University, publicada na revista internacional Science Advances, traça um quadro pouco otimista para o planeta.

Utilizando modelos ecológicos realistas, a equipa de investigação avaliou um cenário climático de emissões elevadas, testando a forma como a absorção de carbono pela vegetação poderia responder às alterações climáticas globais até ao final do século XXI.

Os resultados do estudo sugerem que as plantas de todo o mundo poderão ser capazes de absorver mais CO2 atmosférico proveniente das atividades humanas do que o previsto anteriormente.

O investigador principal, Jürgen Knauer, salienta que, embora os governos mundiais não devam negligenciar as suas atuais obrigações de redução das emissões de carbono, a investigação destaca os múltiplos benefícios da conservação da vegetação através da plantação de mais árvores e da proteção da vegetação existente.

“As plantas absorvem uma quantidade substancial de dióxido de carbono (CO2) todos os anos, abrandando assim os efeitos nocivos das alterações climáticas, mas a medida em que continuarão a absorver este CO2 no futuro tem sido incerta”, explica Knauer.

Fotossíntese serve como um atenuador natural das alterações climáticas

Segundo o investigador, “o que descobrimos é que um modelo climático bem estabelecido, utilizado para alimentar as avaliações do clima global por organismos como o IPCC, prevê uma absorção de carbono mais forte e sustentada até ao final do século XXI, quando alargado para ter em conta o impacto de alguns processos fisiológicos críticos que regem a forma como as plantas realizam a fotossíntese”

“Tivemos em conta aspetos como a eficiência com que o dióxido de carbono se move através do interior da folha, a forma como as plantas se ajustam às mudanças de temperatura e a forma como as plantas distribuem os nutrientes de forma mais económica na sua copa. Estes são três mecanismos de resposta das plantas realmente importantes que afetam a sua capacidade de ‘fixar’ carbono, mas que são normalmente ignorados na maioria dos modelos globais”, acrescentou.

A fotossíntese serve como um atenuador natural das alterações climáticas ao absorver algum do dióxido de carbono adicional depositado na atmosfera pelas emissões de combustíveis fósseis.

As plantas e os ecossistemas armazenam parte do carbono adicional que absorvem em reservatórios de longo prazo, como a madeira das árvores em crescimento e a matéria orgânica de decomposição lenta no solo.

Desta forma, o aumento da absorção de CO2 pela vegetação pode levar a um aumento do sumidouro de carbono terrestre, o que, de facto, tem sido relatado por investigadores nas últimas décadas.

Há muito que não é claro como a vegetação responderá ao CO2, à temperatura e às alterações da precipitação, que são significativamente diferentes das observadas atualmente.

Os investigadores sugeriram que extremos climáticos mais frequentes e graves, tais como secas mais intensas e calor intenso, poderiam enfraquecer significativamente a capacidade de sumidouro dos ecossistemas terrestres.

Os autores testaram diferentes versões do modelo que variavam em complexidade e realismo em termos da forma como os processos fisiológicos das plantas são tidos em conta.

A versão mais simples ignorou os três mecanismos fisiológicos críticos associados à fotossíntese, enquanto a versão mais complexa teve em conta os três mecanismos.

Os resultados indicaram que a configuração mais complexa do modelo, que reflete melhor os conhecimentos mais recentes sobre a fisiologia das plantas, projetou de forma consistente aumentos mais acentuados da absorção de carbono pela vegetação a nível mundial.

Os processos contabilizados reforçaram-se mutuamente, pelo que os efeitos foram ainda mais fortes quando contabilizados em conjunto.

O Professor Ben Smith, Diretor de Investigação do Hawkesbury Institute for the Environment da Western Sydney University, mostrou-se entusiasmado com o impacto destas descobertas e com a sua maior relevância para a comunidade.

“A nossa compreensão dos principais processos de resposta do ciclo do carbono, como a fotossíntese das plantas, avançou dramaticamente nos últimos anos. Mas demora sempre algum tempo até que os novos conhecimentos entrem nos modelos sofisticados em que nos baseamos para informar a política climática e de emissões. O nosso estudo demonstra que o facto de se ter em conta a ciência mais recente nestes modelos pode conduzir a previsões substancialmente diferentes”, afirmou o Professor Smith.

“É provável que as nossas conclusões tenham impacto, inspirando outras equipas a atualizar os seus modelos para verificar se a tendência que observamos para um maior sumidouro de terra no futuro é replicada por outros modelos. Só quando um conjunto representativo de modelos globais concorda com uma tendência ou padrão chave é que nos podemos basear nessa tendência ou padrão para orientar as políticas”, acrescentou.

“Este tipo de previsões tem implicações para as soluções baseadas na natureza, como a revegetação, como uma ferramenta, entre um conjunto de abordagens, que será necessária para atingir as emissões zero líquidas. Os nossos resultados sugerem que estas abordagens podem ter um impacto maior na mitigação das alterações climáticas e durante um período de tempo mais longo do que pensávamos anteriormente”, disse ainda Smith.

O Professor Smith também concordou que isto não significa uma solução simples e rápida para a atual crise ambiental mundial.

“A simples plantação de árvores não resolverá todos os nossos problemas e, na melhor das hipóteses, poderá contribuir durante um período de transição, à medida que a sociedade se vai libertando dos combustíveis fósseis. Em última análise, temos de eliminar as emissões de todos os sectores. A plantação de árvores, por si só, não pode oferecer à humanidade um cartão de “saída da prisão””, concluiu.

 





Notícias relacionadas



Comentários
Loading...
viagra before and after photos what to expect when husband takes viagra