Projectos para plantação de sobreiros reprovados no distrito de Bragança

A denúncia vem da parte da associação Quercus: dezenas de produtores florestais do Distrito de Bragança estão a receber comunicação de não aprovação de candidaturas que foram submetidas no início de 2016.

Em comunicado, a ong ambiental lamenta a “falta de dotação financeira para esta medida do PDR 2020, ainda mais sendo público que no Verão de 2017 foram alocadas verbas no valor de 9 milhões de euros para financiar rearborizações com eucaliptos”. “Estamos muito desiludidos com esta situação. Os governantes continuam a esquecer os locais mais despovoados do interior. Temos de apostar forte no sobreiro no castanheiro”, afirma Leonel Folhento, Presidente da Núcleo Regional da Quercus de Bragança.

“Juras de apoio ao interior são palavras vãs”, acusa a Quercus, que lamenta que mesmo depois das “intervenções de altos responsáveis políticos, de todos os quadrantes, prometendo políticas de apoio à economia do interior, travão à desertificação e despovoamento, equilíbrio do território e aposta na floresta autóctone, os factos venham revelar que a aposta ao investimento continua a ser centrada no litoral”.

É “inadmissível” a espera de dois anos a que estiveram sujeitos os proprietários florestais de Bragança, que “despenderam tempo, energia e dinheiro a submeter as suas candidaturas vejam agora as suas espectativas defraudadas.”

Os projectos em causa, agora reprovados por falta de verba, propunham-se plantar maioritariamente sobreiros, mas também outras espécies de floresta autóctone como o castanheiro, pinheiro manso e freixo.

Foto: Amelia Monteiro / flickr