Prospeção de gás em Aljubarrota e Pombal em consulta pública até 27 de novembro

Depois de vencida a batalha contra a prospeção de petróleo em Aljezur, eis que há outro furo a caminho do continente que está a causar polémica.

Desta vez é a empresa australiana Australis Oil & Gas que tem licença para pesquisar a existência de gás natural em Aljubarrota e Pombal no próximo ano. O problema é que as prospeções vão ser feitas num terreno com sensibilidade arqueológica, segundo os documentos do estudo de impacto ambiental.

De acordo com o jornal Público, a prospeção integra-se num território onde há existência de vestígios de ocupação humana desde períodos remotos.  Quanto a impactos ambientais, espera-se que os impactos negativos sejam pouco significativos e temporários, dado que após a exploração a empresa terá de repor o terreno ao seu estado anterior. Todavia, diz-se também que, apesar de pouco provável, pode acontecer que hajam derrames de substâncias químicas que cheguem à rede de drenagem das águas pluviais. Também é provável que existam impactos que venham a limitar a utilização dos terrenos no futuro e para outros fins, como é o caso da agricultura.

O estudo menciona ao de leve as emissões de CO2 que esta exploração irá produzir, caso venha a ser encontrado gás, sob forma da queima do mesmo de modo a que não se escape para a atmosfera. Todavia, não é considerado o peso a longo prazo de termos uma exploração de gás a produzir CO2 numa altura em que o planeta precisa de reduzir as emissões deste tipo de gás com efeito de estufa.

Os estudos estão em consulta pública até ao próximo dia 27 de novembro no portal Participa.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...