Queimadas no Pantanal brasileiro batem recorde histórico em setembro

O Pantanal brasileiro superou hoje o recorde de queimadas para setembro da série histórica iniciada em 1998, com 5.603 focos de calor detetados este mês pelos satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Segundo dados de satélite disponibilizados pelo INPE, em apenas 16 dias do mês de setembro de 2020 o Pantanal brasileiro registou mais incêndios do que nos 30 dias de setembro de 2007, ano que detinha o recorde de queimadas (5.498 focos de calor) deste bioma para o mês.

Comparando as queimadas registadas em todo o mês de setembro (2.887 focos, segundo o INPE) de 2019 e as registadas em 16 dias do mesmo mês em 2020, os dados indicam que os registos de focos de incêndios quase duplicaram, com um aumento de cerca de 94%.

Tendo em conta a série histórica anual, os dados mostram que o Pantanal brasileiro registou 15.756 queimadas de janeiro a 16 de setembro, superando o recorde histórico de incêndios registado neste bioma em todo o ano de 2005, quando os satélites do INPE mapearam 12.536 focos de calor na área.

Nesta base de comparação que leva em conta totais anuais, a subida dos incêndios no Pantanal já supera 25%, embora restem mais de três meses para o encerramento do ano.

O Pantanal a vive sua maior seca em quase 50 anos, facto que teve impacto no período de cheia dos rios da região.

A seca tem provocado temperaturas de até 43 graus no Pantanal neste ano, sendo um dos principais factores responsáveis pela proliferação dos incêndios.

As autoridades brasileiras suspeitam e já realizaram uam operação policial para investigar se os focos de fogo têm sido provocados pela atividade humana, nomeadamente por ações de limpeza da terra para pastagens, que estão proibidas.

Especialistas também suspeitam que o aumento das queimadas e a seca no Pantanal é um efeito da desflorestação ilegal de outros biomas do país, que já provocaram alterações no ciclo natural das chuvas.

Situado na região centro-oeste do Brasil, numa área ao sul da Amazónia, o Pantanal é uma planície que tem 80% da sua área inundada na estação chuvosa e é considerado um santuário onde ainda se encontra preservada uma fauna extremamente rica, que inclui animais como a onça pintada e a arara azul.

A maior área do Pantanal (62% ou 150.355 quilómetros quadrados) está no território brasileiro. Cerca de 20% do bioma (conjunto de ecossistemas) situa-se na região norte do Paraguai e 18% na Bolívia.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...