Se os primatas em perigo de extinção desaparecerem, os seus parasitas também desaparecem. E isso é um grande problema

A crise de extinção que se aproxima dos macacos, primatas e dos seus parentes pode ter um efeito cascata ainda maior sobre as pequenas espécies subvalorizadas que montam acampamento nos seus corpos.

As pessoas parecem estar mais cientes da situação dos primatas ameaçados do que dos vermes intestinais dos gorilas, ou são compreensivelmente mais apaixonadas por lémures-rato do que pelos seus ácaros. Mas uns estão dependentes dos outros.

Os nossos parentes animais mais próximos enfrentam um futuro precário: metade das cerca de 500 espécies de primatas do mundo estão em risco de extinção devido às atividades humanas, como caça, captura e desmatamento. Mas a morte dos primatas ameaçados do mundo pode desencadear ainda mais extinções de espécies para os parasitas que se escondem neles e dentro deles, de acordo com um estudo liderado pela Universidade Duke.

“Se todos os primatas ameaçados de extinção realmente morrerem, não serão a única espécie a se extinguir”, afirmou em comunicado o autor dos estudo James Herrera, do Duke Lemur Center.

“É todo um reino de biodiversidade que pode estar a extinguir-se sem que percebamos”, disse Herrera. “Há tão pouco que sabemos sobre o que eles fazem no corpo, que nem mesmo sabemos o que estamos a perder.”

Um estudo anterior sugere que cerca de 85% a 95% dos vermes parasitas de animais ainda não são conhecidos pela ciência, muito menos avaliados pela autoridade de extinção “Lista Vermelha” mantida pela União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN).

Herrera admite que isso pode parecer uma coisa estranha para nos preocupar-mos, dados todos os nossos esforços para desparasitar e descontaminar a nós mesmos e aos nossos animais de estimação. Para a maioria das pessoas, os parasitas são “algo que queremos erradicar, em vez de conservar”, indicou Herrera.

A ideia de criaturas alienígenas a morder e a aninharem-se nas dobras húmidas e quentes dos intestinos faz a maioria das pessoas estremecer. Mas os parasitas nem sempre causam sintomas percetíveis ou deixam os seus hospedeiros doentes, diz o especialista. Os parasitas podem até ter alguns benefícios surpreendentes, como quando os vermes no intestino ajudam o corpo a evitar outras infeções ou controlam as doenças auto-imunes.

Para avaliar a perda potencial de biodiversidade se os primatas forem extintos, os professores do Duke Lemur Center, usaram técnicas de análise de rede para medir o potencial efeito cascata sobre os parasitas que montam acampamento dentro ou sobre os corpos dos primatas. O seu trabalho apareceu em 20 de setembro na revista Philosophical Transactions B.

No seu modelo, as espécies estão conectadas em complexas teias de interações envolvendo 213 primatas – macacos, primatas, lémures e galagos – e 763 vermes, ácaros, protistas e outros parasitas conhecidos por os infetar. Quando um hospedeiro primata desaparece, os parasitas conectados a ele não podem mais depender dele para sobreviver. Corte muitas dessas conexões, e a sua perda desencadeia uma cascata mortal onde uma extinção gera outra.

Atualmente, 108 das 213 espécies de primatas são consideradas ameaçadas pela IUCN. A equipa descobriu que, se todas essas espécies desaparecessem, 250 parasitas adicionais também poderiam ser condenados, e que 176 dessas espécies de parasitas não tinham outros hospedeiros adequados.

A cascata de extinção provavelmente será pior em lugares isolados como a ilha de Madagascar, revelou o estudo. Por lá, o encolhimento das florestas, a caça ilegal e a coleta para o comércio de animais de estimação estão a levar 95% das espécies de lémures cada vez mais perto do limite, e mais de 60% dos parasitas de lémures habitam um único hospedeiro.

Por exemplo, pelo menos duas espécies de vermes nematóides dependem do aye-aye, um lémure de dedos longos e cauda espessa com dentes parecidos com os de um castor. Se o aye-aye morrer, o mesmo acontecerá com os vermes que ele carrega.

Os investigadores dizem que não são capazes de prever, a partir de suas análises, quantos dos parasitas no seu conjunto de dados poderiam potencialmente evitar a extinção abandonando o navio e se adaptando a novos hospedeiros que são mais abundantes. Mas algumas das doenças mais notórias em humanos, como malária, SIDA causada pelo HIV e febre amarela, começaram em outros primatas antes de se espalharem para as pessoas.

O estudo é parte de uma edição especial da Philosophical Transactions B dedicada à macroecologia de doenças infeciosas.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.