Seca: Câmara de Silves rejeita aumento do tarifário da água no Algarve



A Câmara de Silves (CDU) anunciou que rejeita o aumento do tarifário da água previsto para a região, posição também assumida pelos presidentes dos três municípios do PSD no Algarve, que se declararam indisponíveis para o fazer.

“O Município de Silves rejeitou em sede da Associação dos Municípios do Algarve (AMAL) o aumento dos tarifários da água”, refere a autarquia em comunicado, sublinhando que foi “o único município a fazê-lo”, na ocasião.

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve, António Miguel Pina, anunciou na passada semana que o primeiro escalão não terá qualquer aumento, sendo aplicado um aumento de 15% no segundo escalão, de 30% no terceiro e de 50% no quarto e último escalão, a partir de março.

Segundo a Câmara de Silves, presidida por Rosa Palma, o segundo escalão de consumo abrange a maioria esmagadora dos consumidores, pelo que esta é uma medida “socialmente injusta e penalizadora dos rendimentos” das famílias.

“O Município de Silves considera que o caminho da poupança de água no volume do consumo humano (15%), que é absolutamente necessário, passa, essencialmente, pela consciencialização e sensibilização da população, na qual confiamos”, lê-se na nota.

Aponta, ainda, como soluções, a criação de planos internos de contingência e o “combate decisivo às perdas de água na rede de abastecimento público, usando os equipamentos e dispositivos tecnológicos já instalados e funcionais em todo o concelho de Silves”.

Em comunicado enviado à Lusa na quarta-feira, os três presidentes de Câmara eleitos pelo PSD no Algarve mostraram-se indisponíveis para aumentar o preço da água, alegando que o aumento constituiria uma “injusta e injustificada decisão para com os munícipes”.

Rogério Bacalhau (Faro), José Carlos Rolo (Albufeira) e Francisco Amaral (Castro Marim) defendem “que não podem ser os algarvios a pagar a total ausência de ação por parte do Governo” que foi “incapaz de tomar medidas destinadas a enfrentar o problema”.

Entretanto, hoje, em Lisboa, o Conselho de Ministros aprovou uma resolução em que o Governo “reconhece a situação de alerta na região do Algarve, por motivo de seca, e aprova um quadro de medidas de resposta imediata, de caráter temporário, para a redução de consumos e racionalização da utilização dos recursos hídricos”.

As medidas vão permitir “ultrapassar as necessidades essenciais da época do verão e terminar o ano de 2024 com reservas para 2025”.

Em janeiro, o ministro do Ambiente e da Ação Climática anunciou para o Algarve cortes de água de 25% na agricultura e de 15% no setor urbano, que inclui o turismo, para preservar as reservas de água e fazer face à seca.

A decisão, tomada após uma reunião da Comissão Permanente de Prevenção, Monitorização e Acompanhamento dos Efeitos da Seca, foi justificada por Duarte Cordeiro pela necessidade de tomar medidas para garantir que haverá água na região em 2025.





Notícias relacionadas



Comentários
Loading...
viagra before and after photos what to expect when husband takes viagra