Setor do mar pesa mais de 10% na economia da Madeira



O setor do mar pesa mais de 10% na economia da Madeira, indicou hoje a Direção Regional de Estatística, referindo que em 2017 movimentou 453,1 milhões de euros e foi responsável por 9,8% do emprego e 11,3% das remunerações.

“A importância da economia do mar está muito relacionada com a relevância da atividade turística na Região Autónoma da Madeira, uma parte substancial da qual é também incluída na Conta Satélite do Mar”, salienta a autoridade regional.

A Direção Regional de Estatística (DREM) divulgou uma compilação de indicadores referentes ao arquipélago da Madeira, no âmbito do Dia Nacional do Mar, que hoje se assinala.

“Em termos absolutos, o Valor Acrescentado Bruto ‘Mar’ da Região Autónoma da Madeira atingiu, em 2017, os 453,1 milhões de euros”, indica, adiantado que, nesse ano, o valor das remunerações ascendeu aos 222,1 milhões de euros.

Por outro lado, em 2021, a quantidade de pesca descarregada aumentou 6,7% face ao ano anterior, mas recuou 3% em termos de valor, fixando-se em 14,1 milhões de euros.

De acordo com a DREM, 2019 foi considerado a preços correntes como o ano em que o valor da pesca descarregada no arquipélago atingiu o valor mais elevado (22,1 milhões de euros).

Em relação à aquicultura, a produção ultrapassou as 1.000 toneladas nos últimos três anos, sendo que 2021 foi o ano recorde, com 1.566 toneladas, e um valor de vendas de 5,1 milhões de euros, +53,2% que no ano precedente.

“Apenas o atum e similares e o peixe-espada preto superam a dourada em termos de importância económica no domínio da pesca e aquicultura”, refere a autoridade de estatística.

O Registo Internacional de Navios (MAR), que integra o Centro Internacional de Negócios da Madeira, teve também um “forte crescimento” nos últimos nove anos, sendo que no primeiro semestre de 2021, a nível europeu, estava posicionado como o terceiro registo com mais embarcações matriculadas.

“Divididos entre navios de comércio e embarcações de recreio, observa-se que os primeiros aumentaram de forma mais marcada, com o seu número a se fixar no final de 2021 nos 708, quando em 2010 era de apenas 142, ou seja, mais que quadruplicou”, refere a DREM, esclarecendo que as embarcações de recreio passaram de 86 em 2010 para 120 em 2021.

Em relação aos navios de cruzeiro, segundo a última Conta Satélite do Turismo, referente a 2015, os passageiros deixaram mais de 34,2 milhões de euros na região.

“Esta atividade tem efeitos positivos no comércio, na restauração, nos transportes, nas agências de navegação e em outros negócios”, indica a autoridade regional de estatística, adiantando que o número de escalas máximo foi atingido em 2015 (312) e que 2019 foi o ano recorde em termos de passageiros em trânsito (588,9 mil).

No último ano disponível (2021), entraram nos portos da Região Autónoma da Madeira 125 cruzeiros com 113,8 mil passageiros em trânsito, valores basicamente resultantes da atividade no último trimestre do ano.



Notícias relacionadas

loading...

Comentários estão fechados.