Sismo no Japão: bicicletas triplicam vendas e esgotam nas lojas

Sem metro para se deslocar, a população de Tóquio está a voltar-se para as viagens de bicicleta, segunda adiantaram hoje de manhã vários media internacionais.

De acordo com a EFE, o anúncio de cortes programados de energia está a levar – ou melhor, a forçar – os cidadãos de Tóquio a recorrerem a meios de transportes alternativos, como a bicicleta, para se locomoverem.

De acordo com várias fontes no local, depois do terramoto de sexta-feira, que chegou aos 8,9 graus de magnitude, a população japonesa começou por voltar a casa a pé. Ao longo da jornada, muitos foram os que pararam à frente das lojas de bicicletas – e levaram uma para casa.

Assim, o número de vendas de bicicletas triplicou, até grande parte das lojas esgotarem o seu stock. Bicicletas de passeio ou até profissionais, que chegam a custar 2.500 euros, foram vendidas.

A região metropolitana de Tóquio tem 30 milhões de habitantes e, segundo várias fontes, as filas que se amontoaram à frente dos pontos de táxis, autocarros ou metro – quando estes estão em actividade – começaram a ver-se também nas lojas de bicicletas.

Esta não é a primeira vez que as bicicletas são utilizadas depois de períodos difíceis para as populações – e na sequência de desastres naturais.

Em 2004, depois do tsunami que varreu o Oceano Índico, o World Bicycle Relief – criado pelas empresas SRAM e Trek – ofereceu 24 mil bicicletas aos cidadãos do Sri Lanka.

Dois anos depois de terem sido distribuídas, 88% das bicicletas ainda estava a ser utilizadas diariamente, tendo os lares economizado 30% do que gastariam, num ano, em transportes.

As bicicletas foram ainda importantes para que as famílias afectadas pelo desastre natural regressassem à normalidade da sua vida profissional e escolar.

Deixar uma resposta

Patrocinadores

css.php