Somália: 6,2 milhões de pessoas precisam de ajuda urgente por causa de seca grave e conflitos armados no país

Dados divulgados hoje pelo Conselho de Refugiados Norueguês expõe uma realidade alarmante na Somália: só no último ano mais de um milhão de somális foram obrigados a fugir do país devido à grave seca e aos conflitos armados que assolam a região. No local, 6,2 milhões de pessoas precisam de ajuda urgente.

Para Gabriella Waaijman, directora regional do Conselho de Refugiados Norueguês, a situação actual é preocupante, com a crise na região a atingir já perto de 3500 pessoas por dia, que “lutam pela sua sobrevivência diariamente, fugindo de suas casas em busca de água e comida para se manterem vivas”.

Os números agora revelados mostram um país em sérias dificuldades, com 3,1 milhões de pessoas em situação crítica e 388 mil crianças, com idades inferiores a cinco anos, a sofrer de má nutrição grave.

Pelas zonas rurais da Somália, cidades completamente vazias marcam agora a paisagem do país. Campos agrícolas completamente secos e uma enorme quantidade de animais mortos provocou o êxodo massivo da população. Várias ong´s têm alertado a comunidade internacional para a necessidade de ajuda urgente no terreno, na esperança que se consiga evitar um cenário de emergência humanitária, como o vivido em 2011.

Também os conflitos armados estão a ter um forte impacto na zona, com o grupo terrorista Al-Shebab a fazer uso da violência para instaurar um estado islâmico na região. Só no passado sábado mais de 300 pessoas perderam a vida, vítimas de um camião armadilhado que explodiu em Mogadíscio, capital da Somália.

Foto: UNHCR