Peixes e insetos com veneno têm maior probabilidade de diversificar a espécie

A extraordinária diversidade de insetos e peixes, os grupos de invertebrados e vertebrados mais ricos em espécies no reino animal, deve-se em parte ao facto de terem veneno, revelou um novo estudo.

Peixes e insetos venenosos diversificam-se cerca de duas vezes mais rápido do que os seus equivalentes não venenosos, mostrou a investigação.

O veneno fornece um meio eficaz de repelir predadores ou capturar presas, o que pode permitir que as espécies explorem mais oportunidades no seu ambiente, potencialmente levando à formação de novas espécies à medida que se diversificam na sua ecologia.

Mais de 1 milhão de espécies de insetos foram identificadas até agora, o que representa três quartos de todas as espécies de invertebrados da Terra. Existem 31.269 espécies de peixes, que constituem quase metade de todas as espécies de vertebrados.

Hoje, cerca de 10% das famílias de peixes e 16% das famílias de insetos contêm espécies venenosas – de arraias e bagres a vespas e mosquitos. A pesquisa mostrou que o veneno evoluiu pelo menos 20 vezes em peixes e pelo menos 28 vezes em insetos ao longo da sua história evolutiva.

Embora os biólogos tenham examinado por muito tempo o que impulsiona a biodiversidade, o papel do veneno em relação aos mais diversos grupos de todos – insetos e peixes – não foi totalmente considerado.

É aqui que entra a nova investigação liderada pela Universidade Swansea. A equipe, liderada por Kevin Arbuckle do Departamento de Biociências, realizou o primeiro teste em grande escala para verificar se o veneno contribuía para a diversidade de espécies de insetos e peixes.

Ao mostrar que o veneno evoluiu muitas vezes ao longo da história evolutiva de insetos e peixes, e que tem sido associado a taxas mais rápidas de diversificação, os investigadores apresentam evidências de que o veneno tem contribuído significativamente para a diversidade de espécies nestas “super-radiações”.

Segundo o autor do estudo, os resultados fornecem evidências de que o veneno desempenhou um papel na geração da diversidade de insetos e peixes, que possuem o maior número de espécies entre invertebrados e vertebrados, respetivamente. Apesar disso, o veneno não é o único fator que impulsiona a riqueza de espécies nestes grupos de animais, mas ficou demonstrado que desempenhou um papel importante, anteriormente não reconhecido, na geração da incrível diversidade que vemos hoje entre insetos e peixes.

Embora provisório, o padrão de tempo nas origens dos peixes venenosos sugere pistas tentadoras do que estava a impulsionar a evolução do seu veneno. Ao contrário dos insetos, onde o veneno evoluiu de maneira bastante uniforme ao longo da sua história, a maioria das origens do veneno de peixes concentrou-se nos períodos do Cretáceo Superior e Eoceno.

A investigação foi publicada na BMC Ecology and Evolution.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.