De acordo com um estudo publicado recentemente no British Medical Journal, uma das revistas médicas mais conceituadas do mundo, o consumo de álcool, mesmo em níveis moderados, provoca alterações patológicas no cérebro, aumenta o risco de danos cerebrais e acelera o declínio cognitivo.

São vários os estudos que têm analisado as consequências prejudiciais para o cérebro do consumo excessivo de álcool, mas poucos o fizeram relativamente ao consumo moderado de álcool. Por isso, os autores do referido estudo, um grupo de investigadores britânicos das universidades de Oxford e College London, decidiram verificar se a ingestão comedida de bebidas alcoólicas tem consequências positivas, negativas ou nulas na estrutura e funções cerebrais. 

O estudo envolveu 550 homens e mulheres saudáveis, analisando-se os seus dados sobre o consumo de álcool e seu desempenho cognitivo durante 30 anos (1985-2015). Foram realizados testes às funções do cérebro em intervalos regulares e no final do estudo (2012-15), todos os participantes foram submetidos a uma ressonância magnética. Foram levados em consideração factores que podem influenciar os resultados, como idade, sexo, educação, classe social, actividade física e social, o tabagismo, o risco de acidente vascular cerebral e história clínica de cada um.

No final, os resultados demonstraram que o aumento do consumo de álcool durante o período de estudo de 30 anos está associado com um aumento do risco de atrofia do hipocampo, uma forma de dano cerebral que afecta a memória e a orientação espacial. Os indivíduos que consumiam mais de 30 unidades por semana se encontravam num nível de alto risco, em comparação com os abstémios. Mas mesmo os que bebiam moderadamente (14-21 unidades por semana)* tinham três vezes mais propensão a ter atrofia do hipocampo face aos que não consumiam qualquer bebida alcoólica.

*de referir que as 14 unidades consideradas como referência para um consumo moderado correspondem a quatro copos de cerveja (a pint) ou cinco copos de vinho (175 ml) de 14 graus.

Foto: Creative Commons

Deixar uma resposta