Mitos e verdades acerca dos critérios ESG nas empresas



Cada vez mais se ouve falar dos critérios ESG – Environmental, Social and Governance (em português, Ambiente, Social e Governança corporativa) e na necessidade de serem adaptados às empresas. Para que uma empresa faça parte da mudança e promova um futuro mais verde e sustentável, é essencial ter uma estratégia alinhada com estes objetivos.

O consultor empresarial Carlos Moreira, CEO da Morcone Consultoria Empresarial e especialista em ESG, esclarece este tema e desmistifica algumas das afirmações mais comuns, que ainda confundem os cidadãos. Será que o que se diz é mito ou verdade? Fique a saber.

Os ESG:

As pequenas empresas não precisam de se preocupar com os ESG

Mito – e dos grandes! É óbvio que há diferenças estruturais e de processos entre pequenas, médias e grandes empresas, mas em comum compartilham os objetivos de crescimento, de visibilidade maior no mercado, etc. Os critérios ESG podem e devem ser adotados nas PMEs e cada vez mais empresas pequenas têm adotado agendas com base nos ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, trazendo para a sua realidade a discussão sobre importantes temas como a igualdade de género e salários, consumo e produção responsáveis, ações de impacto ambiental, etc. Essa já é boa maneira de se adaptar os critérios ESG. Além disso, temos ótimos exemplos de empresas brasileiras que são referência no tema como é o caso da Natura, que se tornou uma referência nacional e global, impactando também pequenas e médias empresas a estarem alinhadas nessa procura por ESG que veio para ficar.

Favorecem a fidelização de clientes nas empresas

Verdade. Um estudo realizado pela First Insight, publicado no início de 2020, mostrou que a geração Z (nascidos entre 1995 e 2010) está a tomar suas decisões de compras com base nas práticas sustentáveis do retalho em comparação às outras gerações. Já uma pesquisa desenvolvida pela McKinsey antes da pandemia, mostrou que os clientes afirmam que estão dispostos a pagar para se tornarem ecológicos e 70% dos consumidores de diversos setores afirmaram que estavam dispostos a pagar 5% a mais por um produto “verde”, se atendesse aos mesmos padrões de desempenho que um produto convencional.O comportamento mais consciente do consumidor tem impactado diretamente o consumo e as pessoas estão cada vez mais atentas a como as empresas impactam o meio ambiente, como tratam as suas pessoas e no que acreditam.

Melhoram o desempenho financeiro e aumentam confiança do investidor

Verdade. Um estudo também da McKinsey já mostrou que as práticas ESG nas empresas ajudam no combate ao aumento das despesas, o que afeta os lucros operacionais em até 60%. Adotar os ESG impacta positivamente a gestão financeira da empresa e também beneficia o investidor que direciona recursos para esses negócios e projetos. Cada vez mais investidores têm procurado organizações de referência em ESG que também demonstram maior confiabilidade no mercado.

Só são eficientes no mercado financeiro

Mito. É óbvio que a estratégia e a procura por investimentos que sejam sustentáveis sejam mais intensos em mercados de capitais que, inclusive, têm sido fundamentais para o fortalecimento deste conceito de ESG no mundo. Hoje a adoção de práticas ESG nas empresas é necessária em qualquer segmento, seja qual for o tamanho do negócio.

São uma moda que já já passa!

Mito. Talvez um dos grandes momentos que derrubou ou ao menos mostrou que os ESG são uma realidade que impacta o mundo corporativo foi quando a americana BlackRock, um dos maiores fundos de investimentos do mundo, com mais de 7 biliões de dólares em ativos, anunciou que iria deixar de investir em organizações que não tivessem projetos sustentáveis. A China também trouxe impactos ao declarar a sua meta de deixar de emitir dióxido de carbono para a atmosfera até 2060, o que demonstrou a sua posição direcionada para uma economia sustentável.

Adotá-los fica caro

Mito. O relatório da consultoria Morningstar mostrou que, mesmo durante a pandemia, as organizações que investiram mais em ESG tiveram os melhores resultados em comparação àquelas que optaram por outras estratégias. Os ESG são um investimento como qualquer outro numa empresa e que podem gerar resultados variáveis, porém, são a escolha das melhores estratégias, o que faz com que centenas de marcas sejam as mais bem sucedidas no mercado.

Fortalecem a imagem da empresa

Verdade. Empresas que adotam critérios ESG tornam-se mais fortalecidas no mercado, logo quando são as que mais atraem investidores até serem as marcas mais admiradas e consumidas pelos clientes. Vale a pena recordar que os clientes não compram só os produtos ou serviços, compram também a história por trás da marca!

São uma prática restrita aos mais jovens

Mito. Uma investigação realizada pelo instituto Morgan Stanley demonstrava que em 2019, enquanto 95% dos investidores com menos de 40 anos de idade mostravam interesse em investir em meios sustentáveis, essa taxa era de 85% entre as restantes faixas etárias. Mas a procura não se explica pela faixa etária. O mundo todo está a caminhar por esse caminho sustentável.

Exigem a mudança de mentalidades e de cultura

Verdade. Os critérios ESG precisam de começar na cultura da empresa e nos valores que ela partilha. Costumo trabalhar muito essa mudança de pensamento entre as empresas com que trabalho e há casos em que precisam de acontecer grandes mudanças. Nunca é fácil para uma empresa mudar, mas é necessário. Muitos negócios ainda acreditam que os ESG são só uma moda, mas são uma moda que veio para ficar.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.