França proíbe circos com animais selvagens, espetáculos de golfinhos e quintas de visons



Os legisladores franceses votaram pelo fim da utilização de animais selvagens em circos, com penas pesadas para os infratores.

As apresentações de animais silvestres serão proibidas em dois anos e a sua posse ilegal em sete anos, de acordo com a ampla legislação de direitos dos animais que está em debate desde 2020.

A lei, uma vez assinada pelo presidente Emmanuel Macron, também vai proibir espetáculos de golfinhos nos próximos cinco anos e encerrar imediatamente a criação de visons, o que significa que a última operadora do país será fechada.

O partido centrista de Macron, República em Movimento (LREM), classificou a legislação como “um passo histórico para aos direitos dos animais”.

A fundação da mais famosa defensora dos animais de França, a veterana atriz Brigitte Bardot, deu as boas-vindas a “um grande avanço para a causa dos direitos dos animais em França”.

Além das medidas contra os circos, a nova lei aumentará a penalidade máxima por maus-tratos a animais para até cinco anos de prisão e a multa de 75.000 euros, e aumentará as restrições à venda de animais de estimação.

Os ambientalistas pediram medidas para melhorar as condições dentro das fazendas de animais industrializados, o que exigirá “uma mudança no nosso modelo agrícola”, indicou o senador Daniel Salmon na passada quinta-feira.

Fazendas que produzem foie gras patate em França – que forçam pássaros como gansos e patos para inchar artificialmente os seus fígados – também são alvo de ativistas há muito tempo.

Os 120 proprietários de circos em França devem protestar contra as restrições impostas aos seus meios de subsistência e alertaram que alguns animais podem acabar abandonados.

“É uma lei arbitrária porque não há animais maltratados nos nossos circos”, afirmou William Kerwich, chefe do sindicato dos treinadores de animais de circo, à AFP.

A nova legislação também proíbe o uso de animais silvestres em programas de televisão, bares e festas particulares.

As investigações mostram que a grande maioria dos franceses apoia a lei e dezenas de cidades e vilas em todo o país já proibiram circos itinerantes que usam animais.

As mudanças colocarão França em sintonia com mais de 20 países europeus que proibiram ou restringiram fortemente o uso de animais para entretenimento.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.