com o apoio
em modo Escuro poderá poupar até 30% de energia. Saiba mais

Humanos aceleram a mudança da biodiversidade, conclui estudo internacional

Os humanos alteraram significativamente a biodiversidade em todas as zonas climáticas da Terra. Isto foi demonstrado por um estudo publicado na “Science”. Liderada pelo Prof. Dr. Manuel Steinbauer da Universidade de Bayreuth e pela Dra. Sandra Nogué da Universidade de Southampton, uma equipa internacional investigou como a flora em 27 ilhas em diferentes regiões se desenvolveu nos últimos 5.000 anos.

Em quase todos os lugares, a chegada de humanos desencadeou uma mudança acentuadamente acelerada na composição de espécies em ecossistemas antes intocados. Esga dinâmica foi particularmente pronunciada nas ilhas colonizadas nos últimos 1.500 anos.

As 27 ilhas selecionadas para este estudo nunca foram conectadas ao continente e foram colonizadas por humanos durante o período de estudo. Dentro dessas ilhas, o pólen das plantas polinizadas pelo vento está há milénios depositado nos sedimentos de lagos e pântanos. O pólen foi extraído das camadas de sedimentos, datado e identificado para uma respectiva espécie de planta.

“Para cada uma das 27 ilhas, o nosso estudo mostra como a composição da vegetação mudou nos últimos 5.000 anos. A colonização humana das ilhas antes não perturbadas ocorre neste período. Podemos, portanto, rastrear como os sistemas naturais mudam como resultado da chegada do Homem.
Essa transformação de um sistema natural para um sistema dominado pelo Homem só pode ser observada em ilhas. Nos continentes, os humanos vêm mudando extensivamente os sistemas ecológicos há muito tempo. Como seria um ecossistema natural aqui, muitas vezes não podemos mais dizer,” afirma Steinbauer.

Os investigadores compararam os dados obtidos através de análises de pólen com achados arqueológicos que fornecem informações sobre quando as ilhas foram colonizadas pela primeira vez por humanos.

O resultado fornece uma mensagem clara. Em 24 das 27 ilhas estudadas, a chegada do homem marcou uma transformação na renovação da vegetação. Desse ponto em diante, a vegetação mudou a uma taxa significativamente mais alta,a sua taxa de mudança foi acelerada por um fator de onze.

A composição das espécies mudou especialmente em ilhas que foram colonizadas nos últimos 1.500 anos, como as Ilhas Galápagos e a Ilha Robinson Crusoe, no Chile. Se, por outro lado, o primeiro povoamento ocorreu há mais tempo, o aumento da taxa de rotatividade das espécies foi menos pronunciado. Os autores atribuem esta diferença a um crescente conhecimento técnico da agricultura e aos efeitos associados sobre a biodiversidade. Além disso, como resultado da sua crescente mobilidade, as pessoas podem ter introduzido espécies de plantas do continente, competindo com as espécies nativas nas ilhas.

“Os resultados do estudo destacam as extensas mudanças que nós, humanos, estamos a causar nos sistemas ecológicos. A mudança na composição do pólen no nosso estudo reflete principalmente o uso da terra pelo homem ao longo de milénios.

Com o início da era industrial, a transformação induzida pelo homem nos sistemas ecológicos acelerou. Além disso, os sistemas ecológicos são agora afetados adicionalmente pelas alterações climáticas induzidas pelo homem”, explica o Prof. Dr. Manuel Steinbauer, autor correspondente do estudo.

Steinbauer é membro do Centro Bayreuth para Ecologia e Pesquisa Ambiental (BayCEER), um centro de pesquisa da Universidade de Bayreuth, e tem trabalhado por vários anos sobre as influências humanas nos sistemas ecológicos.

Neste contexto, também lidera um projeto da DFG (Fundação Alemã de Pesquisa) que investiga como as mudanças climáticas de períodos geológicos têm influenciado o risco de extinção de espécies.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...