Incêndios florestais libertaram 1760 megatoneladas de carbono este ano



Os incêndios florestais que ao longo de 2021 devastaram vastas áreas ao redor do mundo libertaram um total de 1760 megatoneladas de carbono. Além disso, os maiores níveis de emissões foram registados em várias regiões, da América ao norte de África ou Sibéria, de acordo com dados do Copernicus Atmospheric Surveillance Service (CAMS).

Os registos são recolhidos pelo Sistema Global de Assimilação de Dados de Incêndio (GFAS) do CAMS há 19 anos.

Estas regiões específicas são o leste e centro da região do Mediterrâneo, América do Norte, Sibéria e Norte da África, de acordo com nota publicada pelo CAMS, que por sua vez descreve abril, julho e agosto como os meses de maior emissão de gases com efeito de estufa (GEE) registados como consequência de incêndios florestais.

Segundo o cientista e especialista em incêndios florestais do CAMS do Centro Europeu de Previsões Meteorológicas de Médio Prazo (CEPMPM), Mark Parrington, “as condições regionais mais secas e quentes causadas pelo aquecimento global aumentam o risco de inflamabilidade e incêndio da vegetação.”

Julho manteve o recorde de emissões globais em 2021 por um período com 343 megatoneladas de carbono libertados na atmosfera, um reconhecimento de curta duração, já que agosto registou números ainda mais altos, com 378 megatoneladas de carbono globalmente.

Em abril, as regiões marcadas a vermelho são a Sibéria Ocidental e Canadá; no primeiro “um grande número” de incêndios devastou áreas ao redor de Omsk e Tyumen, de acordo com o comunicado.

Posteriormente, os incêndios florestais na República de Sakha, no nordeste da Sibéria, registaram o maior total de verão no conjunto de dados CAMS GFAS entre junho e agosto, que foi mais do que o dobro dos anos anteriores.

Naquela época, um incêndio também estava a devastar o oeste da América do Norte, especificamente várias províncias do Canadá, Califórnia e os estados do noroeste do Pacífico nos Estados Unidos, com um total de 83 megatoneladas de emissões de carbono na atmosfera.

Na Europa, também não houve isenção de fogos florestas; as temperaturas quentes e secas registadas no verão contribuíram para que julho e agosto fossem os meses mais críticos neste sentido. Assim, a Turquia foi de longe o país mais afetado, seguido pela Grécia, Itália, Albânia, Macedónia do Norte, Espanha, Argélia e Tunísia.

No norte da Índia, a queima frequente de restolho entre setembro e novembro causou um aumento nos níveis de poluição, sendo os estados indianos de Punjab e Haryana os mais atingidos, de acordo com o Copernicus.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.