Nova Zelândia quer ser o primeiro país do mundo a exigir relatórios de risco climático às empresas e bancos

A Nova Zelândia pode ser o primeiro país do mundo a exigir que as suas principais empresas e bancos informem sobre os riscos representados pela crise climática.

Isto significa que cerca de 200 das maiores empresas e bancos do país teriam que relatar o impacto que eventos climáticos extremos ou as políticas climáticas terão nos seus negócios, explicou o portal Stuff.

“Hoje é mais um passo na jornada que este governo está a tomar em direção a um futuro de baixo carbono para a Nova Zelândia e um planeta mais limpo e seguro para as gerações futuras”, disse o Ministro das Alterações Climáticas James Shaw na terça-feira, relatou o jornal neozelandês Scoop.

A medida baseia-se no legado emergente da ação climática da Nova Zelândia, como a sua histórica Lei de Carbono Zero, que comprometeu o país a honrar as metas do acordo de Paris e atingir zero emissões de carbono até 2050.

No entanto, o parlamento da Nova Zelândia está atualmente dissolvido antes das eleições de 17 de outubro. Para que entre em vigor, o partido de Shaw, o Partido Verde, teria que entrar num governo de coligação após as eleições e a proposta teria então que ser aprovada no parlamento.

Se for aprovado, todos os bancos, sociedades de construção, cooperativas de crédito e seguradoras da Nova Zelândia com mais de mil milhões em ativos terão que relatar anualmente o risco que as alterações climáticas representam para os seus negócios ou explicar a ausência do relatório, de acordo com o portal Stuff.

Este relatório incluiria quais são os riscos, como a instituição os está a gerir e como está a trabalhar para lidar com os impactos das alterações climáticas.

“Atualmente, muitas grandes empresas na Nova Zelândia não têm uma boa compreensão de como as alterações climáticas impactarão o que fazem”, disse Shaw. “As mudanças que estou a anunciar hoje trarão os riscos climáticos e a resiliência para o centro da tomada de decisões financeiras e de negócios. Isto garantirá que a divulgação dos riscos climáticos seja clara, abrangente e comum.”

Shaw disse ainda que a Austrália, Canadá, Reino Unido, França, Japão e União Europeia estão a desenvolver relatórios de risco climático, mas o plano da Nova Zelândia é mais ambicioso porque inclui todo o sistema financeiro, de acordo com o portal Scoop. As instituições cobertas pela apólice respondem por 90% dos ativos controlados na Nova Zelândia.

Se a proposta for aprovada no parlamento, os relatórios climáticos começariam em 2023.

O Prémio Nobel de Economia Joseph Stiglitz elogiou o plano proposto, de acordo com o The Guardian.

“Mais uma vez, a Nova Zelândia está a liderar o mundo. Este país liderou o mundo ao mostrar como os países democráticos podem gerir os riscos da Covid-19”, disse ele. “E agora, a Nova Zelândia está a liderar o caminho, mostrando como podemos ajudar a gerir o risco das alterações climáticas.”

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...