Oceano Ártico começou a ficar mais quente décadas antes do que estava previsto



O Oceano Ártico está a ficar mais quente desde o início do século 20 – décadas antes do que os registos sugeriam – devido à água mais quente que flui para o delicado ecossistema polar do Oceano Atlântico.

Um grupo internacional de investigadores reconstruiu a história recente do aquecimento do oceano na porta de entrada para o Oceano Ártico, numa região chamada Estreito de Fram, entre a Gronelândia e Svalbard.

Utilizando as assinaturas químicas encontradas em microrganismos marinhos, os investigadores descobriram que o Oceano Ártico começou a aquecer rapidamente no início do século passado à medida que águas mais quentes e salgadas fluíam do Atlântico – um fenómeno chamado Atlantificação – e que essa mudança provavelmente precedeu o aquecimento documentado por medições instrumentais modernas. Desde 1900, a temperatura do oceano aumentou cerca de 2 graus Celsius, enquanto o gelo marinho recuou e a salinidade aumentou.

Os resultados, relatados na revista Science Advances, fornecem a primeira perspetiva histórica sobre a atlantificação do oceano Ártico e revelam uma conexão com o Atlântico Norte muito mais forte do que se pensava. A conexão é capaz de moldar a variabilidade climática do Ártico, o que pode ter implicações importantes para o recuo do gelo marinho e aumento do nível do mar global à medida que as camadas de gelo polares continuam a derreter.

Todos os oceanos do mundo estão a aquecer devido às alterações climáticas, mas o Oceano Ártico, o menor e mais raso dos oceanos do mundo, está a aquecer mais rápido de todos.

A atlantificação é uma das causas do aquecimento no Ártico, porém os registos instrumentais capazes de monitorizar esse processo, como os satélites, datam de apenas cerca de 40 anos.

À medida que o oceano Ártico fica mais quente, o gelo da região polar derrete, o que, por sua vez, afeta os níveis globais do mar. Conforme o gelo derrete, expõe mais a superfície do oceano ao sol, libertando calor e aumentando a temperatura do ar. À medida que o Ártico continua a aquecer, derrete o permafrost, que armazena grandes quantidades de metano, um gás com efeito de estufa muito mais prejudicial do que o dióxido de carbono.

Os pesquisadores afirmam que os seus resultados também expõem uma possível falha nos modelos climáticos, por não reproduzirem essa atlantificação inicial do início do século passado.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.