Os cães podem detetar se as pessoas estão stressadas



Um novo estudo concluiu que os cães reconhecem, pelo cheiro do suor e pela respiração humana, os processos fisiológicos associados a uma resposta aguda a situações stressantes.

Segundo o “The Guardian”, embora estudos anteriores tenham sugerido que os caninos podem absorver as emoções humanas, possivelmente através do olfato, ainda não era certo que poderiam detetar o stress e se tal era feito através do cheiro.

“Este estudo provou definitivamente que as pessoas, quando respondem ao stress, o seu perfil de odor muda”, revela Clara Wilson, autora da investigação.

Wilson acrescenta que os resultados poderão revelar-se úteis no treino de cães de serviço, nomeadamente os que apoiam pessoas com distúrbio de stress pós-traumático. “São muitas vezes treinados para olhar para alguém que se atire para o chão, ou que comece a ter comportamentos agressivos”, explica Clara Wilson.

O estudo oferece mais uma pista: “Existe definitivamente uma componente olfativa, e que pode ser valiosa no treino destes cães para além de todas as coisas visuais”, disse Wilson.

No novo estudo, os cientistas utilizaram amostras de respiração e suor de não fumadores que não tinham comido ou bebido recentemente. As amostras foram coletadas antes e depois de uma tarefa aritmética em ritmo acelerado, juntamente com níveis de stress  e medidas fisiológicas objetivas: frequência cardíaca (FC) e pressão arterial (PA).

Cães detetam “cheiro do stress” com 93% de precisão

Três horas depois, amostras de 36 participantes que relataram aumento no stress por causa da tarefa e experimentaram um aumento na FC e PA durante a mesma foram apresentadas aos cães. Quatro cães de diferentes raças e misturas foram treinados, usando um clicker e ração, para combinar odores.

No geral, explicam os investigadores, os cães puderam detetar as amostras coletadas durante o stress em 675 de 720 tentativas, ou 93,75% das vezes. A primeira vez que foram expostos aos objetos com o cheiro dos participantes quando stressados ou relaxados, acertaram 94,44% das vezes. Individualmente, o desempenho variou de 90% a 96,88%.

“Foi bastante surpreendente vê-los tão confiantes ao dizerem-me ‘não, estas duas coisas cheiram definitivamente diferente'”, disse Wilson.

A equipa explica que, embora não fosse claro quais os químicos que os cães estavam a “apanhar”, o estudo mostra que os humanos produzem um odor diferente quando stressados – confirmando pesquisas anteriores que utilizavam instrumentos para analisar amostras.

Wilson acrescentou que, embora estes cães tenham sido treinados para comunicar que podiam distinguir as diferentes amostras, é possível que mesmo cães de estimação não treinados possam detetar alterações no odor quando um humano se torna stressado.

Claire Guest, co-fundadora e diretora científica da instituição de caridade Medical Detection Dogs, que não estava envolvida na investigação, explicou que os cães de assistência médica de alerta foram treinados para alertar pessoas com condições de saúde complexas quando estavam em perigo de ter um evento médico potencialmente ameaçador, detetando alterações no seu odor.

“Pensa-se que algumas destas condições se devem a uma mudança nos níveis hormonais, pelo que não nos surpreende saber que [os cães] podem detetar quando os humanos estão a sofrer de stress [pois isso também pode estar ligado a flutuações hormonais]”, sublinhou.



Notícias relacionadas

loading...

Comentários estão fechados.