Parece uma caravela-portuguesa, mas não é, alerta o IPMA

Os cnidários são animais exclusivamente aquáticos, grupo ao qual pertencem as medusas, alforrecas e caravelas. Em Portugal Continental é possível ao longo do ano ver pela costa alguns aglomerados destas espécies.

Recentemente, foi detetada em águas portuguesas entre Viana do Castelo e Setúbal, a espécie Veleiro (Velella velella). O IPMA (Instituto Português do Mar e da Atmosfera) informa a população, que embora estes organismos gelatinosos tenham parecenças, a espécie não é a caravela-portuguesa (Physalia physalis). 

A caravela-portuguesa tende a causar algum alarmismo na população quando avistada na costa, pelo facto de ser capaz de causar graves queimaduras e problemas de saúde a quem entra em contacto com os seus tentáculos. No entanto, o IPMA explica que embora se deva na mesma evitar o contacto, comparavelmente a Veleiro é inofensiva, podendo apenas provocar alguma alergia ou irritação na pele. 

A sua frequência nesta época do ano é comum, tratando-se “de fenómenos naturais e sazonais motivados por condições oceanográficas e ambientais favoráveis à sua reprodução e consequente arrojamento até às praias.”

Segundo os observadores do GelAvista, a espécie Velella velella foi avistada em praias como:

  • Praia de Moledo, Praia do Lumiar (Viana do Castelo)
  • Percurso entre a Praia Suave Mar e praia de Cepães, Praia da Apúlia (Braga)
  • Praia da Agudela, Praia de Labruge, Praia de Pedras do Corgo, Angeiras, Praia do Cabo do Mundo (Porto)
  • Praia de Buarcos, Praia da Tamargueira (Coimbra)
  • Praia de S. Pedro de Moel, Praia de Paredes da Vitória (Leiria)
  • Praia da Foz do Sizandro, Praia do Guincho, Praia da Carvoeira, Praia de Carcavelos (Lisboa)
  • Costa da Caparica, Lagoa de Albufeira (Setúbal)
Artigos recomendados