Uma nova crise global está a caminho: a escassez de água potável

Uma nova crise global está a formar-se e desta vez é a do acesso aos recursos hídricos e os perigos que representa através da intensificação dos desastres naturais devido às alterações climáticas, alertou a Organização Meteorológica Mundial (OMM) esta terça-feira ao apresentar o seu relatório sobre o estado dos serviços climáticos relacionados com a água em 2021.

A ciência aponta que o número de pessoas afetadas pelo chamado “stress hídrico” ou dificuldade de acesso a água aumentará consideravelmente devido ao crescimento populacional e porque haverá cada vez menos recursos hídricos para explorar.

De acordo com os números citados no relatório, 3,6 mil milhões de pessoas tinham acesso inadequado a água durante pelo menos um mês por ano em 2018, e esse número está projetado para ultrapassar 5 mil milhões até 2050.

É neste contexto que a OMM constatou que o mundo não está preparado para esta situação porque os sistemas de gestão, vigilância, previsão e alerta precoce dos riscos associados à água não existem ou são inadequados em 60% dos 187 estados membros do órgão científico das Nações Unidas.

“O aumento das temperaturas está a causar mudanças nas chuvas global e regionalmente, o que tem levado a variações na distribuição das chuvas e nas estações agrícolas, o que tem um impacto na segurança alimentar, saúde e bem-estar dos seres humanos”, comentou na apresentação do relatório o Secretário Geral da OMM, Petteri Taalas.

Na sua contagem, a agência observa que em 2020 ocorreram vários eventos extremos de água, como chuvas intensas que causaram inundações massivas no Japão, China, Indonésia, Nepal, Paquistão e Índia, deixando muitos mortos e empurrando milhões de pessoas para o deslocamento forçado. .

Na Europa também ocorreram inundações que causaram perdas humanas e materiais.

Do outro lado da medalha está a diminuição dos depósitos de água continentais (soma de toda a água encontrada na superfície terrestre e abaixo dela), que equivale a um centímetro a menos por ano nas últimas duas décadas, fenómeno Notório em geleiras, neve nas montanhas, Antártica e Gronelândia.

A situação é grave se considerarmos que apenas 0,5% dos recursos hídricos do planeta estão disponíveis e são aproveitáveis.

Taalas enfatizou que esta situação “continuará nos próximos séculos e não apenas nos próximos anos ou décadas, devido aos altos níveis de dióxido de carbono” na atmosfera e os efeitos negativos que isso terá sobre as mudanças climáticas.

Desde 2000, houve um aumento de 134% nos desastres relacionados com enchentes em comparação com as duas décadas anteriores, com a maioria das mortes e danos económicos na Ásia.

O número de secas e a sua duração também aumentaram 29% no mesmo período, e o custo humano das secas foi maior em África.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.