Universidade de Aveiro cria mosaicos mais leves que reduzem a factura energética

O Departamento de Materiais e Cerâmica da Universidade de Aveiro (UA) criou uma série de novos materiais que estão a ser incorporados em pavimentos e revestimentos cerâmicos, que demonstram um comportamento mais eficiente do ponto de vista energético que os pavimentos ou revestimentos convencionais. Estes novos materiais atenuam as transferências de energia com o exterior e diminuem a amplitude térmica no interior dos edifícios – que se traduz numa poupança na factura da electricidade mas também em menores emissões de gases com efeito de estufa para a atmosfera.

Os novos mosaicos, que já estão testados para aplicação em pavimentos, são compostos por duas camadas: uma camada densa que pode assumir aspectos e cores diversas e uma camada inferior, mais porosa, composta por um material com mudança de fase que tem como característica principal a capacidade de reter durante o dia a energia que será dissipada à noite, sob a forma de calor.

Estes novos materiais cerâmicos “demonstram um comportamento mais eficiente, do ponto de vista energético, do que os pavimentos/revestimentos convencionais, tendo-se verificado uma atenuação das transferências de energia com o exterior e uma diminuição da amplitude térmica no interior dos edifícios”, escreve o jornal online da UA.

Ao reduzir-se a factura energética, reduz-se também as emissões de gases que seriam libertados se fosse necessário aquecer os espaços, queimando gás, gasóleo ou lenha ou se fosse necessário refrigerar as divisões gastando energia.

De acordo com Rui Novais, investigador de pós-doutoramento que participou no projecto, os novos materiais terão um custo de produção “previsivelmente superior aos dos restantes materiais, mas será largamente compensado pelas mais-valias do produto”.

Os novos materiais foram desenvolvidos no âmbito do projecto ThermoCer, apoiado pelo QREN, em parceria com o Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro e com a CINCA. O projecto decorreu entre Setembro de 2012 e Dezembro de 2014.

Foto: adrians_art / Creative Commons

Deixar uma resposta