A Nobre voltou a reconhecer cidadãos portugueses que praticaram actos de excepcional nobreza em benefícios de terceiros, sem qualquer interesse pessoal.
CONTINUAR A LER